Design encanta, inovação surpreende

508
Compartilhar:
destaque_212x314px

mybook_710x375px

Em tempos de crise, apenas quem se diferencia garante permanência no concorrido mercado de produtos e serviços. O livro Design encanta inovação surpreende, da editora Alta Books, mostra que é perfeitamente possível se destacar da concorrência desde que você possa explorar seus diferenciais. Com linguagem clara e cases nacionais, a obra reforça a importância da utilização adequada dos conceitos do design, a competência de projetar um produto, um serviço ou um novo modelo de negócio com ênfase no usuário final, compreendendo suas necessidades e expectativas. A inovação é o pensamento disciplinado, que objetiva desenvolver soluções de alto valor agregado.

Até o momento, pouco explorado pela maioria dos empresários brasileiros, seja por desconhecimento ou por acreditar que alto investimento é a única forma de jogar em mercados competitivos, o Brasil está pronto para dar esse salto, possuindo um grande número de bons profissionais, com diferentes expertises em design, que contribuem com indústrias ou serviços de diferentes tamanhos a serem mais rentáveis, produtivas e competitivas em qualquer cenário. Para o autor Mário Fioretti, “o que vemos são que as tecnologias estão se tornando commodities, havendo pouca diferenciação entre os produtos. Se observarmos a indústria automotiva, por exemplo, veremos que a maioria dos automóveis é muito parecida na entrega técnica: direção hidráulica, freios com ABS, câmbio automático, motores flexe potência não são mais diferenciais. A diferença está principalmente no desenho do veículo, nas linhas de sua carroceria e em como cada marca consegue se personalizar, identificando-se com as expectativas do usuário. O mesmo vale para um refrigerador, uma cadeira ou uma caneta”.

No que diz respeito a custos e investimentos, o autor comenta que a uma empresa que se dispõe a lançar algo, seja um produto, um serviço ou um novo modelo de negócio, um certo investimento será necessário. O custo entre um bom ou um mau resultado, é praticamente o mesmo. O tempo e o dinheiro necessários para planejar e executar com competência não é muito diferente e a economia realizada num trabalho superficial e de pouca qualidade é consumida para corrigir o que não deu certo, sob risco de perda de todo o investimento.

Sobre o autor:

Mario Fioretti é designer, especializado em inovação e empreendedorismo. Nos 30 anos de sua carreira, ele trabalhou principalmente em projetos de bens de consumo, e superou a marca de 100 milhões de produtos vendidos. Ele também é consultor, palestrante, autor e mentor em aceleradoras de start-ups.

Parceiros: