Volte ao mercado de trabalho pela porta da frente

218
Compartilhar:
gutemberg

O mercado de trabalho é altamente competitivo e demanda um novo tipo de profissional – preparado, atualizado em seu campo de trabalho, competente, multicultural, corajoso, líder de si mesmo, capaz de enxergar os seus “blind spots” e corrigi-los imediatamente, entre inúmeras outras qualificações. Aqueles indivíduos que não compreenderem essa nova realidade e não se adaptarem rapidamente às novas regras e exigências do mercado, fatalmente ficarão de fora. Isto é, eles não terão acesso às posições abertas e às oportunidades oferecidas pelas organizações da “Era do Conhecimento e da Tecnologia”.

A expressão “Volte ao mercado de trabalho pela porta da frente” significa dizer: abdique de todos aquelas ações, comportamentos, hábitos, linguagem, crenças e conhecimentos que não agregam valor nenhum às organizações e que, portanto, impedem o seu ingresso nelas de maneira triunfal. À luz desse entendimento, vejamos algumas das exigências para que um profissional “volte ao mercado pela porta da frente”.

Em primeiro lugar: autenticidade. Ele jamais deveria pretender ser o que não é, o que nunca foi e talvez o que nunca será. Profissionais que tentam violar essa regra, comumente, se dão muito mal ao longo de suas carreiras. Portanto, caros leitores, evitem a todo custo adulterar, turbinar ou mentir em seu currículo – datas, posições, informações e realizações. Segundo: conduzir-se de maneira elegante e autoconfiante ao longo de todo o processo seletivo. Sabemos que nos dias atuais um processo seletivo é muito demorado em razão de número de entrevistas exigidas – de 3 a 12. As empresas desejam contratar profissionais que demonstram alto nível de energia, paixão e segurança. Portanto, comporte-se sempre com dignidade, profissionalismo e civilidade.

Além disso, também é preciso ter flexibilidade e mobilidade. O profissional do mundo moderno deve se comportar como um embaixador e estar preparado para trabalhar em qualquer parte do mundo. Ele não pode dizer que não aceita trabalhar em outra cidade, estado ou país. Se o fizer, poderá perder oportunidades vitais para o avanço em sua carreira. É imprescindível estar preparado para atuar nos diferentes palcos. Em quarto lugar: seja líder de si mesmo. Ninguém pode liderar outras pessoas se primeiro não aprender a liderar a si mesmo.

Mais uma exigência: conhecimento profundo da empresa onde deseja ou irá trabalhar – sua história, visão, valores, filosofia gerencial, objetivos, nível de tecnologia, finanças, segmento mercadológico, entre outras questões de importância valiosa para sua compreensão e atuação.

Ao longo de minha carreira consultiva, tenho encontrado inúmeros profissionais que não atentam para essa necessidade. Quando eles vão para uma entrevista, têm conhecimentos ralos e superficiais sobre a organização. Na maioria das vezes, eles se satisfazem com as informações que encontram na internet apenas. Esse é um grave erro. De um profissional sério e comprometido, exige-se profundidade em tudo aquilo que ele faz. Afinal, se for superficial na hora de coletar dados sobre o seu futuro empregador, também o será quando estiver trabalhando.

Por último, voltar ao mercado de trabalho pela porta da frente demanda pesquisa, foco, disciplina, determinação, trabalho duro, resiliência, paciência e cabeça sempre erguida. Portanto, como escreveu Helen Keller (1880-1968), conferencista norte-americana cega e surda: “Nunca ande de cabeça baixa, porém sempre de cabeça erguida. Olhe diretamente nos olhos do mundo.”

 



GUTEMBERG B. DE MACÊDO
É presidente da Gutemberg Consultores. Estudou Ciências Jurídicas e Sociais e fez seu mestrado em Teologia, na Filadélfia, EUA.

Parceiros: